Em mundo complexo, alucinante e assustador, muitas esferas da vida assume conotações equivocadas. O trabalho é, sem dúvida nenhuma,  uma das maiores vítimas dessa situação. Será possível trabalhar e ser feliz? Já trabalhamos o tema da Busca da Felicidade Profissional em outros posts do blog, analisamos também a descoberta de um propósito e como ser um voluntário no próprio trabalho. Neste post gostaria de compartilhar um artigo de Daniela Lima, publicado no UOL economia, relacionado com esses assuntos e as atitudes pessoais, especialmente financeiras, para ser realmente feliz em sua ocupação. Inspire-se!

Por que muitas pessoas se sentem infelizes em seus trabalhos?

insatisfacao-no-trabalho-1396479578550_615x300Sem dúvida podem estar sofrendo com uma sobrecarga crônica. Normalmente chegam exaustas em casa após um dia estressante e após varias horas no transporte público, cansadas demais para procurar outros hobbies, sair com os amigos ou dedicar suas energias à vida familiar.

Podem apreciar diversos aspectos de seus trabalhos, mas não gostam de receber diariamente ordens de chefes insuportáveis.

Não querem que seus fins de semana sejam invadidos por mensagens de texto e e-mails do escritório. Falam da “rotina” ou de serem “escravos do salário” ou de “não terem tempo suficiente para equilibrar trabalho e vida pessoal”.

Sonham com mais tempo livre, mais autonomia, mais espaço em suas vidas para relacionamentos e para serem elas mesmas.

Será que é realmente possível encontrar um trabalho em que possamos prosperar e nos sentir realmente vivos? Sim é possível, mas os passos nessa direção não são tão simples assim.

Na verdade, pouquíssimas pessoas hoje são capazes de mudar de carreira sem passar por um período turbulento de incerteza sobre a direção a seguir.

Tenho observado que o maior empecilho para mudança rumo à satisfação no trabalho não são as infinitas possibilidades de carreira existentes, mas sim a dependência financeira. Poucas pessoas tendem a ignorar o dinheiro completamente ao tomar uma decisão profissional.

Todos nós temos dívidas, contas para pagar e família para sustentar, mas muitos profissionais entraram num círculo vicioso, em que para se sentir melhor com tamanha insatisfação profissional, buscaram gratificação imediata no consumo desenfreado e se endividaram, por isso se colocaram na posição de “reféns” da empresa atual.

Como seria a sua vida se você tivesse liberdade financeira? O que o seu trabalho atual está fazendo com você como pessoa, com sua mente, seu caráter e seus relacionamentos? Quando vai tomar atitude para se organizar e sair deste cenário de aprisionamento profissional?

Quando as pessoas são questionadas sobre o que lhes proporciona satisfação no trabalho, raramente o dinheiro aparece no topo da lista. O que realmente aparece é “fazer a diferença para as pessoas”, “qualidade de seus relacionamentos no trabalho” e “respeito” estão no topo da lista.

Precisamos ter coragem de ir além e explorar exatamente a realização profissional que desejamos alcançar. Queremos seguir os atrativos cintilantes do dinheiro e do status, ou queremos ser guiados por nosso valores, talentos e paixões em busca por sentido?

Dostoievski disse que o castigo mais terrível para qualquer ser humano, seria a condenação a uma vida inteira de trabalho absolutamente desprovido de utilidade e sentido.

Liberte-se das amarras financeiras que você mesmo se colocou. Buscar uma ajuda profissional pode se fazer necessária. Só assim será livre para buscar um trabalho de significado, satisfação e plenitude.


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.