Três perguntas para tornar-se um líder mais humilde

A posição de liderança tem seus ônus e bonus. Não é fácil liderar, exige abnegação, sacrifício pessoal e trabalho duro. Todo esse esforço algumas vezes contribui para que os líderes se tornem excessivamente auto-suficientes, arrogantes e narcisistas, características que por fim acabam arruinando a influência positiva da liderança. Esse tipo de postura precisa ser evitado a tudo custo. Jim Collins, autor do livro “Empresas Feitas para Vencer”, diz que os melhores líderes, aos quais ele chama de líderes nível 5, possuem a humildade como uma de suas características mais irresistíveis. Annet Arris, professora do INSEAD, apresenta três perguntas que todo líder deveria fazer a si mesmo para manter-se humilde. São elas:
1 – Estou cercado de vozes críticas? Vozes críticas podem vir de muitos lados. Em um nível pessoal, podem vir de amigos, filhos adolescentes, cônjuge/namoradx, pessoas que conhecem você de dentro para fora. Na vida profissional, você pode pedir regularmente um feedback de seus colaboradores. Quanto mais jovens seus colaboradores, mais implacáveis os feedbacks tendem a ser, mas por isso mesmo são muito esclarecedores. Em geral gostamos de nos cercar de pessoas que concordem conosco e apoiem nossas ideias, mas isso não nos ajuda a crescer. Lidar com críticas pode ser doloroso, mas é a melhor maneira de manter-se alinhado, crescer e aprender a defender seu ponto de vista. Além disso, receber críticas nos ajuda a nos manter humildes com a certeza de que não sabemos de tudo.
2 – Há bastante adversidade? Quando se trata de adversidades, em geral os contratempos não podem ser planejados ou provocados, mas alguém que seguiu a carreira toda sem enfrentar nenhum problema acaba gerando desconfiança. Os problemas nos ensinam que não podemos ter controle sobre tudo. Isso nos torna menos propensos a julgar os outros, mais tolerantes com as falhas alheias e receptivos aos sofrimentos de nossos colegas. A dor nos deixa humildes e nos ajuda a enxergar o mundo sob um ângulo mais humano. Como um indivíduo lida com a adversidade e o que ele aprende com ela é um dos indicadores mais significativos do sucesso sustentado.
3 – Tenho mantido contato com o mundo fora do escritório? Não é fácil para os gerentes de hoje permanecerem abertos a clientes, funcionários e pessoas na rua, uma vez que passam a maior parte do tempo em trânsito ou fechados em salas de reunião, geralmente na companhia de outros diretores. No entanto, pode valer a pena dedicar um tempo para passar um dia no call center da sua organização falando com clientes insatisfeitos ou visitando as residências dos clientes com a equipe técnica. Na rede Pão de Açúcar, há alguns anos, todos os diretores eram obrigados a passar pelo menos uma semana por ano nas lojas. Quando assumiu a ALL, Alexandre Behring passou um mês viajando em trens de carga e posteriormente ao tornar-se presidente do Burguer King, passou 3 meses fritando hambúrgueres em unidades da rede pelo mundo. Além de ser um aprendizado fabuloso sobre seu negócio, sair da redoma do escritório faz com que você se torne mais solidário às difíceis ocupações de outras pessoas em sua empresa e respeite mais seus colegas em níveis hierárquicos inferiores.
Adotando uma abordagem mais humilde e fundamentada, além de buscar conselhos de uma perspectiva diferente, os gerentes podem conter o egocentrismo e evitar as armadilhas do narcisismo. Lembre-se sempre que as pessoas estarão dispostas a ouvir e seguir aqueles que demonstram sincero interesse por elas e as tratam com respeito e igualdade. O espírito humilde não apenas faz de você um líder melhor, mas faz de você também uma pessoa melhor.

About the Author: Derson Lopes

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *